Today mood

Ok. Faz como quiseres. Quem gosta, corre atrás e não desiste na primeira queda. Quem gosta, faz tudo para ter. Agora quem só diz que gosta e não o sente verdadeiramente apenas deixa de se importar e para de insistir sem sequer se tentar colocar no lugar do outro! Isso tocou-me. Vou levar como lição. Bom dia.

Anúncios

Não acredites em tudo o que eles te dizem | Desabafo

Não estou nada bem. Não tenho fome. Não tenho vontade de sorrir. Nunca estive assim antes. Eu sabia que esta era uma opção e de certa forma, eu sabia que iria ser assim. Mas ainda não estava suficientemente preparada para tal. Isto é difícil para caramba…

Mas no fundo, a burra fui eu. Fui eu que acreditei que tinhas mudado. Fui eu que aceitei os elogios que me davas. Fui eu que acreditei na tua mudança. Mas lá bem no fundo, eu não confiava em ti. Eu sentia e sabia que me ias desiludir de novo. Como sempre o fizeste, sempre me desiludiste. É inevitável já. Sinto-me estúpida. Acho que nunca quis tanto que o karma existisse. A vida que andas a levar é nojenta. Desiludes todas. Não bastava teres desiludido uma única vez? Porque voltaste? Aceitei a tua volta porque no fundo tu não me davas a entender que querias nada de sério. Mas desta vez, tu dizias o que querias. Dizias que me querias e não me tinhas. Dizias que gostavas muito de mim. Que tinhas saudades minhas e que querias estar comigo. Dizias que eu não merecia o que tu me tinhas feito e que ias mudar comigo. Admitias que foste estúpido comigo. Eu não te dava certezas de que te queria porque tinha medo de me iludir. Os planos que eu tinha eram exatamente esses. Não me iludir de novo. Queria que mudasses e estava a começar a acreditar que realmente me estavas a dizer a verdade. Mas eu sabia que me ias desiludir de novo. Era um feeling que eu tinha, e não costumo falhar. Mas acreditei em ti na mesma. A esperança é a ultima a morrer, não é verdade? No primeiro dia de 2019, na pda, viste-me e cumprimentaste-me como já não nos cumprimentavamos á muito, com dois beijos. E eu senti saudade realmente. Estivemos no mesmo grupo toda a noite. No final da noite, porque me chamaste? Eu sinceramente preferia ter tido a certeza de que não tinhas mudado. Porque me beijaste? Porque fizeste o que fizeste diante de todos os outros? Porque andaste de mãos dadas comigo se não querias nada? Estou farta. Farta de me desiludir. Foste a pessoa que mexeu mais comigo. Dos outros eu só gostei. Passei a pda contigo. O primeiro dia do ano 2019. E sim, senti-me bem. Perguntei-te se ias mudar comigo a partir daquela noite, para pior, e tu disseste que não. Eu insisti porque eu tinha receio e temia que me desiludisses. E o que fizeste? Tu prometeste e juraste que não. Que ias continuar igual comigo, e esse igual significava a querer-me contigo. E o que aconteceu? Deixaste de responder rápido. Deixaste sequer de querer saber. E caramba, fiquei mal novamente. Só que mudou uma coisa. Da outra vez, eu só te queria ver bem. Desta vez que quero que o karma corra atrás de ti e não te largue. Estás a fazer sofrer tantas miúdas. Eu sei que a tua auto-estima é baixa mas ninguém tem culpa disso. Sentes-te bem a partir corações? Porque desiludes as pessoas? Tu mais que ninguém devias saber o quanto custa gostar de alguém e não o poder ter. Tu sabes o quanto custa sofrer por amor. Iludiste-me tanto para quê? Para aumentares a auto-estima? Para poderes gabar-te de que curtiste comigo? Para te sentires melhor contigo próprio? Ou porque estás farto de estar sozinho?

O rapaz por quem eu me apaixonei já não existe. Ele cresceu e foi piorando. Podias ter ficado no passado. Se eu soubesse, juro que nunca mais te tinha passado bola. Mas pronto, na vida tudo é lição. E, por mais que me esteja a custar, não vou demonstrar importância. Não vou querer estar no mesmo lugar que tu. E se te cumprimentar, é por mera educação. Daqui não levas mais nada. Dei-te a segunda chance. Perdeste-a. Não tens mais nenhuma. Rapazes como tu eu não quero ter uma vida inteira a meu lado.

Eu já perdi a conta das míudas com quem já curtiste desde que terminaste o namoro. Foram quantas? 15? 20? E uma das estúpidas e tapadas fui eu. Mas isto foi bom para aprender. E eu meio que levo pelo lado positivo. Afinal, este ano vivi momentos que nunca tivera vivido. O meu Halloween foi especial. Digo que foi um dos melhores que já tive e um dos quais não me vou esquecer. Para já, arrependo-me do que fiz na pda. Mas com o tempo, eu tenho a certeza que só vou agradecer pelo facto de ter sido a melhor que já tive. Mas agora, só te tenho a dizer uma coisa:

Parabéns. És um recordista!

Today Mood

Estou bem. Parte de mim está bem. Outra não. Mas não vou deixar que a parte ruim estrague a parte boa. Não posso. Sinto que não sou única. E eu quero ser. Mas sinto que não sou. Mas não sou eu que saio a perder. Quem sai a perder és tu. Tratas-me bem. Mas já não é tão bem como ontem ou ante-ontem. Dizes que queres mudar comigo mas continuas a demorar a responder. Será que é porque eu não colaboro? É o medo de me desiludir. Tenho receio. Não vou voltar a viver o que vivi. Tens que fazer por merecer. E até tens feito, admito. Mas como disseste: dizes isso às pessoas com quem te importas. Mas quantas são? Isso queria eu saber. Mas não me vou importar. Mas eu importo…

Ilusões e desilusões | Desabafo

Fui iludida uma vez. É difícil voltar a confiar. Por mais que eu queira, mil e um pensamentos passam pela minha cabeça. Tento elimina-los. Mas penso sempre que não me posso voltar a iludir. Pois a seguir a uma ilusão, vem uma desilusão, que é muito mau. Não quero voltar a passar por isso. E então meto um travão nos sentimentos. Por mais que eu queira ser como era contigo, o facto de pensar que me podes iludir mais uma vez, faz com que eu me afaste. Melhor dizendo, faz com que eu não me queira aproximar tanto, de novo. Assim penso que, se não retomarmos a aproximação que tínhamos, os sentimentos possam desaparecer, ou pelo menos, manter-se como estão. E como estão? Estão em corda bamba. Nem sim, nem não. Estão na vibe do deixa andar, acontecer naturalmente. E talvez seja melhor permanecer assim. Ou talvez deva retomar ao antes. Será? Será que devo arriscar? Tenho tanto receio…não quero que me iludas nem desiludas. Mantém a posição! Somos amigos. Talvez não precisaremos de ser mais que isso. Talvez não o queiras. Ou talvez eu não queira. Ou então queiramos os dois. Ou nenhum. Só sei que ainda sinto. Por mais que não queira, e que não o demonstre, ainda sinto. Só não implores a minha atenção novamente. Isso afeta. Isso mexe comigo. Não deveria. Mas é mais forte do que eu.

– 00:15h, Mara

Today Mood

Não me deixes com dúvidas. Não tentes confundir-me. É muito frustrante. Queria ler a tua mente. Ouvir os teus pensamentos. Mas não posso. Não consigo. E isso irrita-me. Diz-me o que pensas. Diz-me o que sentes. De uma vez. Chega de rodeios. Não me tentes enganar mais. O meu ontem acabou. Ontem eu corria, hoje deixo-te correr. Só não implores a minha atenção. Isso mexe demasiado comigo.

A mente de uma adolescente de 16 anos| Desabafo

Doía. Mas eu não demonstrei. Passado uns anos, confessei-te que doeu. Mas só passado uns anos. Eu sei. Talvez se eu tivesse confessado mais cedo, as coisas tivessem sido diferentes. Mas são escolhas. Será que escolhi o certo? Não sei, mas escolhi. Foste embora, sem pensares em mim. Eu sei que não sabias o que eu sentia, mas mesmo assim, acho que a nossa amizade era suficientemente boa para, pelo menos, dares uma justificação plausível para a tua partida. Mas são escolhas. E tu, tu escolheste assim. E eu assim aceitei. Aceitei a tua partida. Deixamos da falar, mas ainda doía. Ver-te todos os dias e só poder olhar. A cabeça falava mais alto que o coração. Tornamos palavras e sorrisos em sérios olhares. Enfim. Tudo se acalmou. Começamos a falar de novo. E eu admito, ainda sentia alguma coisa. Ainda custava ver-te com ela, mas eu engolia. Até que, naquela noite, eu cheguei ao limite. E sim, caíram-me as lágrimas. Vieste abraçar-me. Tudo dentro de mim se desmoronou. Não queria que me largasses. Mas não queria dizer-te nada. Estavas feliz, e só isso importava. Então, continuei como se não sentisse nada. Coloquei as emoções de lado e aceitei. Aceitei ver-te agarrado a outra pessoa. Fui forte o suficiente para isso. Orgulho-me. Entretanto, continuamos próximos, e isso mexeu com ela. Acabamos por ter que nos afastar de vez. Quer dizer, acabaste por ter que te afastar. E eu, de novo, aceitei. A escolha foi tua. Tudo virou memória. Com o tempo, apareceu outra pessoa. Apaguei-te da minha mente. Mas nunca menti. Sempre disse que foste o único que realmente mexeu comigo. Mas tomamos rumos diferentes. Com pessoas diferentes. E ambos fomos felizes. Pelo menos, eu fui. Um dia, após muito tempo sem nos vermos, cruzamos-nos sem contar. Meio que embatemos um no outro. Juro que o meu coração bateu forte naquele momento. Olhei-te nos olhos. Tu disseste “Olá”. E eu respondi. Virei logo costas. Foi bem estranho. Mas não mexeu comigo o suficiente para reviver memórias. Continuaste apagado. Mas, este ano, mandaste mensagem no dia do meu aniversário. E não paramos mais de falar. Não senti nada. E por isso, admiti. Sim, finalmente admiti. Confessei o que tivera sentido na altura em nos dávamos bem. Confessei os ciúmes. Confessei a dor. Afinal, a ferida já se tinha curado. Pelo menos, eu pensava que sim. Contudo, voltamos a aproximarmo-nos. E adivinha. Afinal, não te tinha apagado por completo. Voltaste a mexer comigo. Não queria que fugisses de novo. Falei contigo, admiti pessoalmente tudo o que estava a sentir. E acredita. Eu nunca admito o que sinto. E tu, mais do que ninguém deverias saber disso. Pois, só três anos depois é que te fiz confissões sobre o que sentira no passado. Mas eu sabia que tinhas uma ferida por curar. Talvez eu pudesse ser a cura. Então, eu fui na fé. Deixei as coisas rolar. E sentia-me bem contigo. Sentia-me bem quando me abraçavas e me davas beijos. Mas eu tinha dúvidas. E sentia-me mal comigo mesma. Andei assim umas semanas. Demoravas a responder. Estavas online e nem vista davas. Isso magoava. Não queria continuar assim. Então decidi esclarecer as coisas. Acabar com as dúvidas. Puxei-te para falarmos a sós. Meio que te obriguei. Conversamos. Foste estúpido. Magoaste. Passei de iludida a desiludida. Mas preferi assim. Fui para a varanda arejar. Levantei a cabeça e continuei a festa, sorrindo. Sorriso falso e forçado. Só queria passar-te a mensagem de que nada me iria impedir de sorrir. Sentia-me mal, sim. Mas continuava a sorrir. No fim da festa, vieste despedir-te de mim. Ignorei-te. Mandaste mensagem a pedir desculpas por me teres magoado. Valorizei essa parte. Mas o resto da mensagem só fez com que eu me afastasse de vez. E foi assim. Afastei-me. Passamos umas semanas a trocar olhares. Não me eras indiferente. Mas eu não ia enviar-te mensagem. As coisas começaram a compor-se. Habituei-me a não ter notificações tuas. Afinal, já te tinhas ido embora uma vez. Mas fazias parte do grupo com quem eu me dava. Estávamos juntos, eu evitava olhar. Mas era mais forte que eu. Até que eu me proibi de olhar. E assim o fiz. Não olhei. Eu sentia que querias voltar a falar. Eu sabia que querias, mas eu não ia dar o braço a torcer. Então, mandaste mensagem. E eu? Eu respondi. Já me sentia bem psicologicamente para que não me afetasses de novo. Antes, era eu que puxava o assunto. Agora, deixo que o faças. Pelo menos, eu não o irei fazer. E sim, tu puxas. Acho que o jogo virou. Sinto que queres falar comigo. Não crio expectativas. Nem recrio sentimentos. Somos amigos. Contudo, tens atitudes que me deixam a pensar. Mas enfim, deixo para lá. Queria saber o que pensas. Quando estou próxima de um rapaz e tu olhas para nós, gostava de entrar na tua cabeça. Saber o que estás a pensar e a sentir. Confesso que ainda mexe ver-te com uma rapariga, seja ela quem for. Mas já me habituei a isso. Tento não olhar. Afastar o pensamento. As nossas mensagens por vezes tornam-se bastantes confusas. Por vezes, parece que admites que não te dou atenção. Parece que demonstras qualquer tipo de sentimento por me veres com alguém. Mas nunca dá para saber ao certo. Deixas-me a pensar confesso. Não sei se fazes isso propositadamente. Enfim. Agora estou numa de deixar os pensamentos de lado. Só não te entendo. Num dia tens assunto, no outro meio que deixas de responder. És difícil. Andas perdido. Enquanto não te encontrares, não serás feliz. Mas já me importei. A gente cansa. E no fim, desencanta. Poderia ser o caso. Mas não é. Eu importo-me. Só não estou a fim de mostrar tanta importância. Não quero. Não mereces que eu me importe. Mas eu gosto de ti. Não sei porquê. Mas é isso. Gostei do que passamos. Momentos engraçados. Fizeste-me rir. Agora, restam as memórias. Já é bom. Desejo-te o melhor do mundo, mesmo assim. Só quero que sejas feliz. Tens um poder sobre mim que nem eu própria sei explicar. Mas perdeste-me. Estás a perder-me a cada dia que passa. O ser humano é assim. Nunca dá o valor suficiente a quem o merece. E só se lembra disso, quando sente que está a perder. Espero que seja esse o caso. Mas, se não for, boa sorte. Obrigada por cada momento. Esconderei os maus e recordarei os bons. Na vida tudo é uma lição. Mesmo sem o final que eu desejaria, tirarei desta história a moral devida. Só não me olhes mais nos olhos. Nem me toques. Não quero voltar a sentir. Eu quero. Mas não posso…

Ausência | ?

Olá de novo! Não, ainda não desapareci de vez…

Desde o fim de Setembro que não escrevo nada, eu sei.

Tem-se passado tanta coisa nestes últimos meses… Acho que finalmente entrei na fase da adolescência. Passou-se o S.Miguel, a grande festa da minha terrinha e aconteceram coisas na minha vida que a revolucionaram, acreditem. Entraram pessoas na minha vida que mexeram comigo de uma maneira que nem eu sei explicar, mas eu farei um post a desabafar sobre o assunto.

Desde Setembro que saio à noite, com os meus amigos. Estava previsto sair a noite toda apenas uma vez no S.Miguel, na Noite de Estrelas 1 apenas. Contudo, eu fui a todas as festas do S.Miguel, a 4, aos Karetus, Baile de Outono, Noite de Estrelas 1 e Noite de Estrelas 2. Desde aí, a minha vida mudou. Apeguei-me a certa gente, ganhei amizades, reatei com algumas pessoas e fortaleci ligações com os meus amigos, que mudança…

Nem sei explicar bem o que sinto agora… É inexplicável. Não sei se todos passam por esta fase, mas é complicada por vezes. Há 4 meses eu achava que a vida era bem fácil e estava sempre tudo bem. Desde Setembro/Outubro que eu já não penso assim… Será dos 16 anos? Ahah. Que revolução.

Até se refletiu nas minhas notas esta mudança, desci muito a algumas disciplinas e estou muito preocupada mesmo… Tenho que subir, focar no importante e deixar os problemas de lado.

Enfim… mas eu farei um post mais profundo sobre o assunto para saber se alguém se identifica.

Espero que compreendam, e desculpem.

BTS | Robbie Williams

É sério gente, quem não conhece o Robbie Williams vai já pesquisar.

Amo demais as músicas dele e as letras. Para ouvir no momento do estudo são ótimas.

Deixo aqui algumas para vocês ouvirem, começando com a minha favorita:

# Angels

# Feel

# Love My Life

# She’s The One

# Advertising Space

Que acharam? Qual foi a vossa favorita? ❤

 

BTS | Motivational quotes

Existem várias frases espalhadas pela internet para nos ajudar a ter sucesso. Porém, só algumas conseguem atingir o meu interior e fazer com que haja motivação para aguentar mais um ano que precisa de esforço e dedicação, um ano em que preciso decidir novos rumos para traçar o meu destino.

Então, decidi que seria giro partilhar convosco as minhas frases favoritas e que me dão imensa motivação para regressar à rotina e lidar com tudo o que me espera daqui em diante.

12f4bd5ffd2616abadf9b5d5d4afb7a3

É importante deixarmos de lado as pessoas que afundam os nossos pensamentos e as nossas esperanças. Temos que, acima de tudo, confiar em nós como forma de agradecimento por tanta dedicação dada para nos tornamos cada vez melhores.

1

Leve esta frase sempre. Quem traça o seu destino, é você. Não deixe fugir todo o seu esforço por erros pequeníssimos que posso cometer. Pense antes de realizar qualquer tipo de ato que posso prejudicar seu caminho para o futuro.

sempre-que-ficar-com-preguica-de-estudar

Sim, todos nós temos aqueles dias de preguiça. É completamente normal. Mas nesses dias, devemos pensar que tudo o que desejamos poderá estar a afundar-se e que somos os únicos que podem fazer com que volte a emergir a vontade de chegar mais além.

2017020811025031

Outra que deverá ser levada a sério. Para qualquer tipo de trabalho é preciso força e dedicação. Nem que seja mínima. Temos que fazer com que aconteça. Antes de mais nada, FAÇA.

 

E pronto, chegou ao fim este pequeno post.

Espero que se recordem sempre destas frases. Que fiquem guardadas no cantinho do caminho para o sucesso, e que quando mais precisarem, nos momentos menos bons, se lembrem delas e lhe façam uso.

Beijinhos e muito sucesso! ❤

 

2 meses após a cirurgia

Olá! Caso não estejam ligados sobre o assunto, eu vou deixar um resuminho para vocês.

Recentemente, mais em concreto dia 18 de Julho deste ano, fiz uma cirurgia ao lábio, por vontade própria. Desde que nasci, tenho uma pequena malformação no lábio e os meus pais deixaram-me crescer para ser eu a decidir o que fazer. Não é bem uma questão de autoestima nem de se notar muito (mal se nota), aliás, várias pessoas não queriam que eu me submetesse à cirurgia. É por uma questão de estética, entendem?

Agora, passados dois meses, ainda sinto uma “bola” dura no lábio. Mas é normal. O meu cirurgião disse que a recuperação foi ótima e que o lábio é uma coisa que incha rápido e demora a desinchar.

Antes de responder às perguntas que me fazem diariamente, aviso que as fotos abaixo são recentes, tiradas ontem (09/09/2018).

 – Cicatrizes?

Para já sim, embora mal se note, mas ao longo de tempo vai desaparecendo.

 – Melhoras?

Sem dúvida. Embora ligeira, nota-se uma melhora. A parte do lábio que tinha um aspeto mais fino está mais grossa, e toda a gente nota isso.

 – Há mais procedimentos a fazer?

Sim, há. Mas desta vez acho que vai ser no lado direito, na parte da cara/bochecha. Ainda não tenho a certeza. O meu cirurgião sugere isso, mas só em Dezembro, na próxima consulta, é que se vai falar do futuro.

 – Ainda dói?

Não! Nunca doeu. Tive uma recuperação bastante calma e rápida. Andei uma semaninha com um penso, apenas para não fazer impressão às pessoas, pois ainda era muito recente.